sábado, 16 de julho de 2016

Se inscrevam no meu canal do Youtube!

Amigos e seguidores,

Enquanto vocês esperam as próximas postagens, que tal conhecer um pouco mais do meu canal do Youtube e os destinos que eu passo e mostro com exclusividade para todos vocês?

Aproveitem e se inscrevam no meu canal (www.youtube.com/ticoso) para receber atualização de todos os lugares que eu passo, mostrando as melhores opções das cidades no Brasil e no Mundo.

Apesar de não gostar muito de pedir isso, curtam e compartilhem os vídeos... isso é o que estimula fazer essa produção, que ainda é amadora, mas dá para ajudar vocês viajantes!

Enquanto isso... confiram em primeira mão o trailer do meu canal, para você que adora viajar!

Quem quer embarcar comigo? Então clica no vídeo abaixo e vamos viajar juntos!




quarta-feira, 16 de março de 2016

Cartagena histórica e das praias do mar do Caribe.


E quem disse que acabou o passeio pela Colômbia? Para quem gostou do que viu sobre Bogotá, tenho certeza que irá gostar mais ainda de um dos destinos mais procurados pelos brasileiros, claro, depois da Argentina e Chile, por conta da proximidade. Estou falando de Cartagena de las Índias, que impressiona por toda a sua história, além de ser o portal de entrada para o Caribe. Querem conhecer um pouco mais da cidade? Então fiquem ligados, que a viagem começa agora!

Basicamente quatro empresas operam para a cidade, são elas: a Copa Airlines, a Avianca, a Lan Colombia e a Viva Colombia. Os preços são bastante parecidos, mas a Viva Colombia com certeza tem os preços mais baixos por ser uma empresa low cost e financiada pela Ryanair, da Irlanda. A minha opção, prezando pela segurança, conforto e atendimento, foi a Avianca (independente dos benefícios que eu possuo por ser cliente elite). A passagem tem uma variação de preço entre R$ 200,00 e R$ 800,00 para ida e volta, depende das datas e antecedência na compra.

O voo entre Bogotá e Cartagena dura em média 1 (uma) hora e o aeroporto é bastante simples. Se você não gosta muito dos embarques/ desembarques remotos (com escada) nos aeroportos brasileiros, lá só existe esta opção, que pessoalmente gosto bastante, para bater as fotos com as diferentes aeronaves. Ao desembarcar, é nítida a diferença de temperaturas entre a capital da Colombia e a cidade que é banhada pelo Mar do Caribe. A retirada das malas pode ser demorada, caso você tenha e não use as prioridades de bagagens, fica a dica. Se você prefere viajar em aviões maiores, que operam rotas internacionais, a dica fica por optar pelos voos com a Avianca, que opera com Airbus A330 (o mesmo que faz a rota de São Paulo para Bogotá) e o novíssimo Boeing 787-8 (que faz rotas pra Europa), que foi a minha escolha!

Desembarque no novíssimo Boeing 787-8 da Avianca
Agora um fato bastante curioso, com relação a troca de moedas no aeroporto de Cartagena. Ao contrário do que acontece em Bogotá, o câmbio é bastante desastroso e não vale a pena fazer a troca completa por lá, a sugestão é apenas trocar a sua moeda, seja dólar, euro ou real por pesos colombianos para pagar o táxi e esperar chegar até a cidade Amuralhada para escolher nas diversas casas de câmbio a melhor para você. Outra coisa importantíssima para Cartagena e que confesso que fui despreocupado e aceitando todos os valores que me ofereciam, mas, tudo é negociável por lá. Tiveram que pegar bastante no meu pé para eu tomar jeito e conseguir negociar! No final da viagem, eu estava conseguindo o que queria pela metade do preço. Apenas para vocês terem uma idéia, a corrida de taxi entre o bairro que me hospedei, Bocagrande, para a Cidade Amuralhada, custava SEMPRE 6.000/ 7.000 pesos, mas no primeiro dia acabei pagando 8.000 pesos. Se você quiser comprar algum artesanato na rua, sempre dê um valor abaixo e isso vale até para os passeios turísticos, para as ilhotas ao redor da cidade, que irei falar mais adiante. Ah! Os taxis não possuem taxímetro e é seguro pegar qualquer taxi no meio da rua, a cidade é mais segura que Bogotá, ok?

Apesar de sempre ter ouvido que era melhor me hospedar na cidade histórica, acabei sendo teimoso e optei pelo moderno bairro de Bocagrande, um pouco mais afastado do que se tem mesmo para fazer na cidade, que é a cidade amuralhada/ murada, como vocês preferirem. No final, fiquei num hotel moderno, que ficava 6 (seis) minutos de tudo isso e foi ótimo, considerando que não existe trânsito pesado na cidade. Me hospedei no Hampton by Hilton (http://hamptoninn3.hilton.com/en/hotels/colombia/hampton-by-hilton-cartagena-CTGHXHX/index.html), que tem dependências bastante modernas, limpas e uma piscina bastante interessante na cobertura. O que achei fraco demais foi o café da manhã, que poderia ser um pouco melhor por conta da marca Hilton, né? Mas estava com preços bastante interessantes, comparados aos disponíveis na cidade histórica. Na minha opinião, a única vantagem de se ficar por lá, é você ter um local para tomar banho e voltar a caminhar pelas ruas históricas, fora isso, não há problema algum de se hospedar em um lugar “mais afastado”. Entendam que Cartagena é uma cidade bastante pequena e tudo é perto, além dos taxis serem baratos e negociáveis!


Como meu voo chegou próximo ao horário de almoço e o serviço de bordo é castanha e bebida (e pensar que no Brasil o pessoal reclama de ter que pagar por comida, ou não darem nada!), cheguei faminto e não pensei duas vezes antes de atacar um hambúrguer na frente do hotel, numa lanchonete. Depois disso, fui sentir as primeiras impressões da região de Bocagrande e conhecer a praia, que sinceramente? Muito fraca e desorganizada. Salvo se você morar numa cidade que não é de litoral e for louco por praia, vai achar ela uma boa praia, mas adianto que terão várias outras opções muito melhores. O bairro, pessoal, é aonde está a maior concentração de prédios, seguido também por inúmeros restaurantes, que tem especialidade de frutos do mar na beira mar e alguns malls (shopping center), como o Centro Comercial Plaza Bocagrande. Fui num restaurante que dizem ser um dos melhores do bairro, o La Olla Cartagenera (http://www.losmejoresrestaurantes.com/Catalogo/Producto.aspx?id=4603&idSec=116). Para ser sincero não me saltou os olhos, apesar do meu prato ter sido relativamente bom! A sugestão é fugir de carnes e algo que não seja frutos do mar, a possibilidade de se decepcionar é enorme.

Seguindo o passeio, chegamos finalmente ao centro histórico, também conhecido por Ciudad Amurallada, que é repleta de história, lojas, hotéis e restaurantes de primeira linha. Antes de falar um pouco sobre lá, quero lembrar a vocês que no período de colônia espanhola, Cartagena era o principal porto aonde os colonos mandavam as riquezas (em especial o ouro) para a Europa e toda as construções foram protegidas por um muro, contra invasores. Hoje, parte dessa proteção ainda existe e é uma atração turística para todos que ali se destinam. 


Continuando o passeio, confesso que sempre procurei chegar por lá no local que eu me guiava melhor, que era a Torre do Relógio (Torre del Reloj). No primeiro dia não teve jeito, sem conhecer nada, acabei me perdendo pelas ruas históricas, o que não foi um mal negócio, admirando a arquitetura espanhola e as charmosas praças e restaurantes ao longo do caminho. O mais incrível é que dentro da cidade amuralhada/ murada, tem muita vida a qualquer hora do dia! Não é difícil achar uma balada ou festa, sejam nos rooftops ou em solo mesmo. Para os amantes da rede Hard Rock Café, há um próximo a Torre do Relógio, que tem inúmeras promoções de bebidas durante a tarde, com clones e tudo mais! Mas, como há concorrência, os bares ao redor fazem algumas vezes mais barato e as vezes em triplo!

Um dos lugares mais interessantes dentro da cidade amuralhada/ murada é a Plaza Santo Domingo, que leva o nome da igreja que está cravada na praça. Sabem aquelas praças no exterior, que você fica observando danças típicas e manifestações culturais? Pois é, acontece todos os dias por lá e aos amantes das artes, há uma escultura do artista colombiano Fernando Botero, a “Gertrudis” que para quem não conhece é uma mulher com traços mais grotescos/ maiores, com o seios a mostra e deitada, fazendo pose para algo. Curiosamente ela fica justamente de frente para a igreja, que leva o nome da praça! O ideal mesmo é pegar uma das várias mesinhas no meio da praça e curtir uma comida, que tem desde massas, até comidas típicas e carnes nobres também, com uma bela cerveja gelada, afinal... o tempo por lá é bastante quente e abafado.



Não muito longe de lá, é possível caminhar ou até tomar uma charrete até o Café del Mar (http://www.ticartagena.com/en/things-to-do/bars/cafe-del-mar-king-of-cartagena-sundowners/), que considero um programa OBRIGATÓRIO. Eu iria até mais além! Diria que se possível ir todos os dias por lá no pôr do sol, para contemplar e curtir o local, não pense duas vezes. O local, é um bar super badalado e talvez o mais famoso da cidade, aonde todos que estão na cidade acabam optando para ouvir boa música, ver gente bonita, o pôr do sol e entrar noite adentro com uma boa bebida e quem sabe, bem acompanhado, não é? Se você gosta de barezinhos, essa é uma programação e experiência única. Apenas para destacar, o local se encontra numa localização super privilegiada, em cima da muralha de proteção da cidade, em meios a antigos canhões do século 17. Além de transpirar história, é uma balada bastante legal, quando se começa a noite.



Aproveitando que “ainda estamos” na cidade amuralhada/ murada, eu vou indicar aqui também alguns restaurantes que passei, iniciando pelos amantes dos belos cortes de carne, que é o restaurante Señor Toro. Apesar de ter procurado de todas as formas aqui o site oficial, não encontrei para vocês puderem conhecer um pouco mais, mas é um restaurante bastante elegante e com cortes de carnes nobres, que eu indico bastante. Sabem fazer muito bem! Já os que preferem uma comida italiana, como uma pizza, a minha indicação fica pro restaurante La Diva (http://www.bestrestaurantsincolombia.com/en/restaurant-colombia/la-diva-cartagena.html), que tem um atendimento rápido, eficiente e com massas finas e muito bem feitas. O mais legal, para quem tiver fazendo dietas fit, é que a pizza é bastante leve e gostosa, mesmo bem temperada. 

O dia seguinte teria de ser muito bem planejado, pois eu iria sair de Cartagena e “viajar” até alguma de suas praias ao redor, que são aonde realmente tem o famoso Mar do Caribe, com aqueles vários tons de azul, que todos conhecemos. A praia da cidade, como dito anteriormente, é péssima! Mas é preciso saber escolher bem, pois são inúmeras opções, inclusive a Playa Blanca. Pelo que entendi, é uma praia pública e que lota de pessoas, algo tipo o “piscinão de Ramos”, no Rio e o mar apesar de ter uma bela tonalidade, é pastoso (nada transparente). Ah, e você pode ir por terra, num ônibus confortável ou de lancha, custando em média 65.000 pesos colombianos. Adianto a vocês que não quis fazer, por achar muito fraco, para o que eu esperava. 



A decisão então ficou na escolha das inúmeras praias privadas que fazem parte da Isla Grande/ Isla Rosário. Sério, você fica tonto e não sabe qual a melhor opção, mas acabei optando pela praia privada do hotel San Pedro de Majagua. Apesar de confuso, é preciso entender que essa é uma das praias privadas da Ilha Rosário, que está inserida dentro da Ilha Grande e há várias outras opções, inclusive o oceanário, que é outro passeio. O meu, que era passar o dia neste hotel e praia privada, incluiu a transporte da marina até a praia, além do almoço (que só tinha opção de dois tipos de peixe, com arroz de banana e legumes) e a volta. O local é espetacular e faz jus ao que esperamos de Mar do Caribe, mas tem um ponto bastante negativo que foi a volta no mar bastante agitado. Como o translado era feito apenas por lanchas coletivas e durava cerca de 1 (uma) hora até Cartagena, não foi uma experiência das melhores. Não falo pelo balanço do barco, mas pelas ondas bastante agitadas no mar aberto, que gerava uma sensação de inseguraça! Claro que eles estão acostumados a fazer esse tipo de trajeto e calculam inclusive esse tipo de coisas, mas confesso que fiquei bastante temeroso. O fato é que o lugar é impressionante e vocês possuindo tempo disponível, se programem para ir até lá. O passeio durou o dia todo e custou cerca de R$ 180,00 (cento e oitenta reais).



No último dia ainda faltava um city tour, que é feito de várias maneiras! Existe um ônibus hop-on/ hop-off (aqueles que tem em toda cidade e você pode entrar e sair quando quiser), a Chiva (ônibus clássico, usado no passado em países latino americanos) e os taxistas que você negocia. Apenas para se comparar, a primeira opção custava cerca de 49.000 pesos colombianos, a segunda 69.000 pesos colombianos e eu negociei com um taxista que fiz amizade e foi bastante solícito, por 65.000 pesos colombianos o mesmo passeio. Com um GRANDE diferencial: ele esperava o tempo que fosse, explicava tudo (sabia tudo de história da cidade) e ainda guardava bolsas/ mochilas e o que quisesse dentro do veículo dele. A exemplo do que fiz em Bogotá, eu indico ele! É o Pedro e infelizmente ele não usa whatsapp, tem que ligar pra ele: +57 (310) 6773413. Ele inclusive me levou ao aeroporto e em outros lugares, afinal, sempre cobrou os preços mais baratos e justos!

Voltando ao passeio, paramos no Cerro de La Popa, que para muitos é apenas uma “montanha” que você consegue ver toda a Cartagena lá do alto, mas é muito mais do que isto. Na verdade lá é aonde está o Convento de Santa Cruz de La Popa, que foi construído no começo dos anos 1600 e está localizado no ponto mais alto da cidade. A sua arquitetura é colonial e tem um museu que conta com peças religiosas, algumas esculturas e quadros. Dentro do convento, há uma decoração que se destaca por inúmeras flores penduradas, dando um ar mais animado ao local. O maior problema mesmo foi o calor excessivo, que me fazia fugir da área externa e correr para dentro, aonde tinham sombras.



Seguindo o tour, era a vez de chegar no Monumento de los Zapatos Viejos, que é uma escultura de dois sapatos gigantescos, feito pelo poeta cartagenero Luis Carlos López, em sua obra “A mi ciudad nativa”. Basicamente, ele dizia que todo mundo possui um sapato velho, que não se desfaz e sempre volta a usar em algum momento. Nada mais do que isso! E é uma escultura que os turistas acabam entrando neles e batendo fotos diferentes, com o Castillo de San Felipe de Barajas ao fundo.

Falando no Castillo de San Felipe de Barajas, dizem ser a maior obra militar da Espanha dentro das colônias americanas e teve papel importante em várias guerras. Lembram que eu já tinha dito que Cartagena era o principal porto espanhol para levar as riquezas, em especial o ouro das Américas para o velho continente?  O tempo passou e hoje o forte/ castelo é um dos principais pontos turísticos da cidade e é preciso coragem para aguentar as altas temperaturas da cidade, enquanto se vai até o topo do castelo.

A viagem estava chegando ao fim, mas ainda teve tempo de conhecer a casa de uma das principais figuras da história colombiana, que era a do Rafael Nuñes. Basicamente ele era de Cartagena e foi até hoje o único presidente da nação a morar fora da cidade de Bogotá, optando a sua cidade natal. Além disto, ele era poeta e escritor, o que ocasionou o surgimento do hino da nacional, que foi adotado oficialmente só em 1920. Ele também promulgou a constituição da Colômbia de 1886 e alterou anos depois o mandato presidencial, que era de 2 (dois) para 4 (quatro) anos, mas infelizmente não conseguiu seguir no cargo, pois acabou sofrendo um infarto e falecendo. Com o passar dos anos, a sua residência foi vendida para pessoas que exploravam mercado negro, inclusive com brigas de galo e outras atividades obscuras. Outro presidente da Colômbia, que não me recordo o nome neste momento, recomprou a casa e a transformou no atual museu, para preservar a memória de um cidadão tão importante para o País. Não é a toa que o aeroporto de Cartagena, leva o nome dele.

Como de costume, fiz o registro desta viagem e coloquei no meu canal do youtube. Ainda não está inscrito? Vai lá em https://www.youtube.com/ticoso e se inscreve no meu canal, para acompanhar as dicas desta e tantas outras viagens que já fiz e virão.

Agora é hora de conferir tudo que eu fiz lá em Cartagena, clicando "PLAY" no vídeo abaixo:




Gostaram? Me sigam nas redes sociais:

- Instagram: @ticobrazileiro

- Snapchat: ticobrazileiro

terça-feira, 15 de março de 2016

Bogotá & Zipaquirá, um pouco da Colômbia Andina.


Conversando com amigos que gostam de viajar, me dei conta de um fato que acontece com bastante frequência: o turista brasileiro não dá o devido valor a certos destinos, acabam por transformá-los em paradas/ pontos de conexão para o destino final. Isso acontece bastante com Bogotá, na Colômbia e a Cidade do Panamá, no Panamá. Grande bobagem! As duas cidades possuem uma cultura e história bastante rica, além de ter uma noite bastante animada e agitada. Como eu já falei anteriormente sobre a minha passagem pelo Panamá (http://www.ticobrazileiro.blogspot.com.br/2014/08/panama-dubai-das-americas.html), hoje irei abordar um pouco da minha recente passagem pela capital colombiana e garanto que você que em acompanha irá se instigar para programar uma ida até lá!

Na última postagem, vocês puderam acompanhar um pouco do meu voo pela Avianca Internacional, entre São Paulo e Bogotá (http://www.ticobrazileiro.blogspot.com.br/2016/02/como-e-viajar-de-sao-paulo-para-bogota.html), que durou exatas 5 (cinco) horas e 40 (quarenta) minutos. Para os que tem medo de turbulência, é normal balançar um pouco sempre que os aviões sobrevoam a floresta amazônica. Já em terra firme, no Aeropuerto El Dorado, após a retirada da bagagem e passar pelo controle da aduana colombiana, o segundo passo era procurar agências de câmbio, para trocar o Real por Pesos Colombianos. Num primeiro momento, achei que o câmbio era péssimo, como acontece em todos os aeroportos do Mundo, mas comparando depois, percebi que não há um grande diferença para o câmbio dentro da cidade. Minha sugestão é que você tire uma quantidade, mas não gaste todo o dinheiro fazendo o câmbio no aeroporto. Deixe outra parte para tentar fazer, ganhando um pouco mais nas proximidades do Parque de La 93.

Antes de chegar na capital colombiana, percebi algo curioso: Bogotá possui uma grande variedade de hotéis e as vezes a preços bastante atrativos. Não se surpreenda se encontrar tarifas de hotéis de até 5 (cinco) estrelas a preços inacreditáveis, de forma positiva. Obviamente isso só irá acontecer se você conseguir se programar com antecedência, afinal, nem passagem aérea você consegue barata, quando de última hora. Acabei optando por um antigo hotel Pestana, que agora se chama Bogotá 100 (http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g294074-d3418721-Reviews-Hotel_Bogota_100-Bogota.html). Na minha opinião, a localização era perfeita, perto de tudo e dava para fazer algumas coisas caminhando, inclusive ir até o Parque de La 93.

O voo chegou próximo ao horário do almoço e eu estava faminto! Após pedir algumas sugestões no hotel, me indicaram ir no Parque Usaquén, que leva o nome do bairro do hotel e ir no restaurante Tienda del Café (http://tiendadecafe.co/), que não pensei duas vezes ao pedir a cerveja mais típica do País, que é a Aguila! Acabei descobrindo que eles fazem igual aos Estados Unidos, com a versão light de todo tipo de cerveja. O restaurante é bastante agradável e serve todo tipo de comida, mas se você não gostar muito dele, é possível caminhar pelas ruas ao redor do parque e escolher outros. Importante destacar para vocês que em Bogotá, é mais seguro você pedir o taxi em aplicativos ou nos restaurantes, do que pegar qualquer um no meio da rua. Isso eu já tinha lido em alguns blogs e foi confirmado por todos, desde restaurantes até mesmo no hotel.

Como o primeiro dia era muito leve, resolvi conhecer a famosa Zona T e Zona Rosa, que ficam um ao lado do outro. Para quem não sabe, a região antigamente era conhecida por ser reduto de traficantes de drogas e prostitutas, considerado um dos piores bairros da cidade. Hoje em dia é repleto de restaurantes, lojas de grife e shoppings centers. Foi assim que cheguei no centro de compras, que é conhecido pelo nome de Andino. E foi lá que provei o típico café colombiano, o Juan Valdez (quem vai na Colômbia, tem que experimentar!). Como não estava com horário para nada, fiquei por ali mesmo para tomar um chopp na Zona T, no barzinho La Cervecería (http://www.lacerveceria.com.co/). O ambiente é muito legal para reunir amigos, casais e entrar noite adentro de Bogotá. Se não gostarem, há outros bares que pude ir e experimentar, como o The Pub (http://www.thepub.com.co/), um típico pub irlandês com uma variedade de cervejas artesanais colombianas. Para os amantes da cerveja, é a região ideal, podendo caminhar “de bar em bar”.
Já os que não conseguem viver sem comprar, a idéia é caminhar um pouco pela Zona Rosa e entrar nas diversas lojas de grife, como Zara, H&M, Hugo Boss, entre tantas outras. Ah, também é possível encontrar restaurantes excelentes, além de cassinos! Isso mesmo, pessoal! Em Bogotá, o jogo é totalmente permitido e quem gosta de tentar a sorte nas maquininhas ou no poker, vale a pena viver a experiência, mas sempre com prudência.


Antes de vir a Bogotá, peguei algumas dicas em alguns blogs de viagem e acabei confirmando umas coisas, com pessoas do hotel e restaurantes. O modo mais seguro de se andar de táxi, é pedindo no aplicativo (eles usam o mesmo EasyTaxi usado no Brasil) quando tiver rede wifi, ou pedir para alguém solicitar um para vocês. Não é recomendável pegar qualquer táxi no meio da rua, apenas isso. Outro detalhe, é que eles cobram cerca de 700/ 900 pesos por você solicitar o taxi pelo aplicativo, que no início achei que estava sendo enrolado e a noite, eles cobram cerca de 1700 pesos colombianos extra, de adicional noturno (chamado lá de recargo nocturno). Mas quero deixar claro que a cidade é bastante segura, caminhei muito por lá e não tive problemas. A sensação de segurança é enorme, não tem absolutamente nada a ver com a Colômbia do tráfico de drogas.

O dia seguinte era reservado para fazer um tour completo pela cidade de Bogotá, incluindo o centro histórico da cidade. A dúvida era como isso seria executado, aproveitando o tempo da melhor forma possível. No hotel, acabei conhecendo o Sr. Guilhermo Solano, que faz esses tours e cobrou um ótimo preço para levar em toda a cidade e esperar o tempo que fosse necessário, inclusive guardando as malas/ bolsas e mochilas dentro do carro dele. Para quem quiser os serviços e eu indico bastante, inclusive para translados até o Aeroporto El Dorado, basta chamar/ combinar com ele pelo whatsapp: +57 (314) 409-7144. A rota foi a seguinte: Cerro Montserrate, Museo del Oro, Plaza Bolívar, Candelária, Museo Botero (que acabou não dando tempo, o que foi uma lástima!).

Chegando no Cerro Montserrate, existem duas filas organizadas para quem vai pagar para a subir em “efectivo” (dinheiro) ou em cartão de crédito. Como eu sempre viajo, pensando na próxima viagem, já fui pra fila do cartão de crédito para acumular milhas! A subida é feita num funicular, enquanto que a descida é num teleférico. O topo do cerro, é uma altitude de cerca de 3.150 metros, o que complica um pouco por você sentir de forma inevitável os efeitos da altitude. Se cansa com maior facilidade. No desembarque, há uma acesso um pouco inclinado que tem figuras vindas da Itália sobre a via crucis de Jesus Cristo, que termina com a visão da catedral do “El Señor Caído”, que foi construída no século 17 e continua bastante preservada por lá. Pelas laterais da igreja, é possível apreciar o tamanho da cidade de Bogotá numa linda vista panorâmica da capital colombiana.



O tempo era curto e tinha que ser bem aproveitado, por isso o próximo local seria o famoso destino era o Museo del Oro, que fica no centro da cidade. Ele é mantido pelo Banco de la Republica de Colombia e a entrada é quase que simbólica! A principal finalidade é mostrar para o público geral, um pouco da história do ouro na Colômbia e na região, além de exaltar os trabalhos feitos pelos indígenas do período pré-colombiano e atual. Apenas por curiosidade, vocês sabiam que o território da colombiano era muito maior? Se chamava de Gran Colombia e alguns territórios ganharam independência e hoje são Equador, Peru, Venezuela e Panamá. Como sempre gosto de conhecer um pouco mais da cultura e do País, converso bastante com taxistas e pessoas locais e descobri que esses países que hoje não são mais parte da Colômbia, estão buscando em cortes internacionais, parte do ouro que ainda resta no País.


Na saída do museu, comecei uma caminhada no coração da cidade, que sempre é bom lembrar algumas recomendações de segurança! É bastante tranquila a caminhada nesta região, mas é bom ficar atento às bolsas e pertences, por existirem vários batedores de carteiras! Não se preocupem que ninguém irá abordar vocês e assaltar, mas há sim muito furto. Ao final da caminhada, cheguei na principal praça da cidade, a Plaza de Bolívar, que tem entre outros monumentos o Palácio de Justiça (que Pablo Escobar financiou grupos guerrilheiros colombianos, em meados dos anos 80, para promover um atentado e queima de documentos que podiam incriminá-lo) e o Capitólio Colombiano e a Catedral Primada de Bogotá. Sem dúvida é uma caminhada bastante interessante e rica em história, mas para quem não gosta de pombos, há milhares deles. O pior é que eles voam pra cima de você e é inevitável ter que se abaixar, por incrível que pareça. Apenas para ilustrar um pouco mais, no Palácio da Justiça é aonde está a Corte Suprema do País e a Catedral de Bogotá, foi construída entre 1807 e 1823.

A caminhada continua, em direção a famosa Candelária, que fica nos arredores da Plaza de Bolívar e é cheia de história com suas casinhas feitas em estilo espanhol, além do famoso Museu do Botero, que infelizmente não poderei dar muitas dicas aqui. Como havia perdido muito tempo no Cerro Montserrate, o tempo estava acabando e a opção ficou por caminhar um pouco pela Candelária, do que entrar no famoso museu. Sem dúvidas as ruazinhas estreitas e com arquitetura colonial espanhola e barroca, chama bastante atenção, além de dar um charme especial a toda a região da cidade. O ideal é ter calma para poder curtir bastante a região e explorar cada rua que existe, ou sentar num café e admirar o ir e vir das pessoas pelas ruas.



Por fim, não poderia deixar ir em duas cidades próximas a Bogotá: Chía e Zipaquirá. Começando pela segunda, é a maior produtora de sal do País e aonde tem a maior atração turística da região, que é a Catedral de Sal. Construída 300 (trezentos) metros abaixo do solo e no interior de uma mina de sal, ela foi criada pela fé dos mineiros e relembra a via crucis de Jesus Cristo, com diversas cruzes no caminho até a cúpula e salão principal da Catedral. Na principal ala da catedral, é possível ver uma cruz gigantesca, com cerca de 16 (dezesseis) metros de altura e escultura de mármore da “Criação de Adão”, feita por Carlos E. R. Arango. Não há como perder este passeio, na cidade que fica cerca de uma hora/ uma hora e dez minutos de Bogotá. No mais, a cidade lembra bastante uma cidade de interior, principalmente interior da Espanha e é quase um vilarejo, bastante charmoso e interessante.



O nosso passeio termina em um lugar imperdível, que é o famoso restaurante Andres Carne de Rès, que existem dois: um na Zona Rosa (mais novo e com três andares) e o mais tradicional, que é este que estou falando agora. Um detalhe importante sobre o termo “Rès”! Eu fiquei bastante confuso e achava que era algo de outro planeta, mas por lá, eles chamam isso todo tipo de carne de “vaca”/ “boi”, foi o que perguntei e entendi, se alguém souber de algum outro significado, estou aberto a correções. Voltando ao local, o clima é de bastante animação, com os garçons e garçonetes tentam animar famílias, casais ou grupos de amigos. O som ambiente é de música típica colombiana, que as vezes se confundem com caribenha, talvez pelo País ser banhado no seu norte, pelas águas do Mar do Caribe. Inclusive, há uma pista de dança, aonde quase todos são obrigados a dançar, pelos funcionários do Andres. Outro momento legal, é quando lhe colocam a faixa de “bienvenido a la tierra” com uma coroa de papelão, como se você fosse o “rei” do lugar. Sem dúvidas é um lugar que merece bastante destaque por tudo que envolve ele. Aproveitem os cortes de carne, servidos de cervejas artesanais e nacionais bastante geladas. Uma certeza? Sempre que eu for em Bogotá, irei voltar no Andres Carne de Rès!




Gostaram dessa postagem?

Confiram o vídeo exclusivo que fiz sobre Bogotá, Zipaquirá e Chía, no meu canal do youtube. Ainda não se inscreveu? Então vai em www.youtube.com/ticoso e se inscreve. Agora pressione “play” para assistir um pouco mais sobre essa viagem:





quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Como é viajar de São Paulo para Bogotá pela Avianca?

Tem um ditado que diz que no Brasil, o ano só começa ao final do carnaval. Para mim, o ano só começa na primeira viagem, de preferência para fora do País e que coincide com este período de festa no País. Sem dúvidas entendo ser uma época tranquila para TODOS poderem aproveitar e esticar mais um pouco do feriado, considerando que dá para viajar numa sexta feira, ou até quinta feira a noite e voltar no outro Domingo. E não foi diferente neste início de 2016! Viajei para a Colombia e irei contar a partir de agora como foi o meu voo entre São Paulo e Bogotá, nas asas da Avianca Internacional, que é completamente diferente da brasileira, apesar de terem o mesmo esquema de pintura em seus aviões e participarem da mesma aliança, a Star Alliance.

Chegando ao Aeroporto Internacional de São Paulo/ Guarulhos, me dirigi ao check in da Avianca, no terminal 2, que achei péssimo. O novíssimo terminal 3 deveria ser padronizado para TODOS os voos internacionais, por terem as melhores salas VIPS, incluindo a da Star Alliance, que atenderia os clientes da empresa colombiana, no caso.

De volta ao check in, os funcionários são bastante solícitos e bem treinados, além de rápidos. Lembram postagens anteriores de como conseguir upgrades em algumas empresas/ alianças? Eu resolvi testar o meu cartão Diamond da Avianca/ Star Alliance GOLD para conseguir um upgrade para a classe executiva neste trecho entre São Paulo e Bogotá, já que minha passagem de ida era na econômica. O atendente me colocou na lista de espera e só iria saber se ganhei ou não o benefício minutos antes de embarcar.



A rigor, não tenho nada a reclamar da Avianca no atendimento! Minha única crítica vai pelo uso do terminal 2, que é péssimo no quesito salas vip e duty free. A empresa utiliza para quem é cliente elite ou viaja na classe executiva, a péssima sala da Pro Air. Na verdade, a sensação é que ela é um puxadinho e que colocam algumas coisas para chamar de “vip lounge”. Como eu tenho acesso à sala do Smiles, que ficava na frente, não tive dúvidas e fui para lá. Que fique registrado aqui a minha sugestão para que TODOS OS VOOS INTERNACIONAIS em Guarulhos sejam operados no terminal 3, aonde tem uma estrutura bem melhor do que a do antigo terminal 2.

Me aproximei do portão de embarque, para saber do meu upgrade e para a minha surpresa, tudo se processou muito rápido e eu já não estava mais na lista dos passageiros da classe econômica. Com a confirmação, era só checar o modelo do avião usado e embarcar. Apenas para explicar, muitas vezes eu compro passagens de acordo com o modelo da aeronave operada na rota, por ser maior ou não. Há algumas classes executivas que não valem o investimento alto, por ser muito aquém do desejável. De toda forma, fica aqui meus agradecimentos a Avianca Internacional e principalmente a rapidez no upgrade de última hora, antes do embarque.

O embarque foi como o normal, iniciando pelas prioridades, que neste momento eu tinha dois tipos, uma por ser Star Alliance GOLD e outra por estar voando na bussiness. E mesmo não voando com tanto conforto, eu faço questão de usar estes benefícios de entrar primeiro, tendo em vista que algumas vezes as pessoas “roubam” o seu espaço para colocar sua bagagem de mão e você passa por dificuldades na hora do desembarque, chegando a ser o ÚLTIMO a sair do avião algumas vezes! Como já aconteceu em um voo para Buenos Aires, no passado, hoje sou até muito metódico em aeroportos na hora do embarque.


O avião era um Airbus A330 usado por várias empresas nas rotas do Brasil para o Mundo, como a TAP, TAM e Azul. Era um modelo novo, um dos primeiros recebidos pela empresa (N280AV) e com esquema de pintura da Star Alliance, todo em branco, com o leme preto. A disposição da classe executiva não era como eu esperava, em “espinha de peixe”, aonde todos os passageiros teriam acesso ao corredor. Era ainda no padrão mais antigo, usado por várias empresas até hoje, aonde quem estava sentado nas janelas (meu caso), teria de passar por cima da pessoa ao lado para ir ao banheiro ou caminhar dentro do avião. A Avianca tem esse padrão mais moderno de “espinha de peixe” em dois Airbuses A330 da frota, mais novos e em todos os novíssimos Boeing 787, que faziam essa rota alguns meses atrás.

Antes da decolagem, que estava prevista para as 09:30 da manhã, foram servidos os famosos “welcome drinks” e que por conta do horário, não era espumante/ champanhe e sim, sucos de laranja ou água. Claro que não poderia faltar as famosas toalhas quentes e úmidas, para lavar as mãos antes da decolagem. Partimos do Brasil com destino a Colombia dentro do horário previsto e num céu de brigadeiro, sem turbulências.


Pouco tempo de atingir altitude de cruzeiro, começou o serviço de bordo e a oportunidade de conhecer um pouco mais dos serviços oferecidos pela empresa colombiana. Por conta do horário, era um café da manhã, que acabei escolhendo a opção de omelete recheada de presunto e queijo, acompanhada de algumas batatas recheadas, salsichão de frango, croissant e frutas tropicais, como mamão, melão e kiwi. Ainda tinha opções de geleias, manteigas e sucos de laranja, além de café tipicamente colombiano, das plantações dos donos da Avianca, nada de Juan Valdéz.

Algumas poltronas estavam com defeito/ falha para reclinar e virar a cama, mas isso foi explicado pela tripulação, caso aconteça com vocês, pessoal! O pessoal de solo da empresa tinha confirmado apenas 10 (dez) pessoas na classe executiva e isso acontece para se preparar alimentação e o serviço, em todas as empresas do Mundo. Como ela foi com um pouco mais do que o esperado, alguns assentos não tinham sido testados, gerando justamente a existência de alguns com defeito. Mas, isso não foi problema! Pedi para trocar com uma passageira e tudo e resolveu.



O último serviço aconteceu antes do pouso em Bogotá, que serviram outro prato. Para uns passageiros era uma espécie de massa, com molho branco/ de queijo e para mim, acabou sendo um sanduíche bastante generoso e bem servido. Talvez pelo horário de pouso na capital colombiana ser quase na hora do almoço (12:30 P.M). De resto, o voo foi tranquilo e com uma pequena e tradicional turbulência ao passar pela floresta amazônica.

O pouso foi tranquilo e o voo teve duração total de 5 (cinco) horas e 30 (trinta) minutos, tocando o solo do Aeroporto El Dorado antes do horário previsto. O desembarque foi rápido e aquela coisa de “prioridade na bagagem” funciona muito bem na Colômbia. As malas chegaram antes do que a dos outros passageiros, o que agilizou a saída do aeroporto.


Dessa vez pude fazer uma comparação direta com a concorrência, que são as empresas do Grupo Latam (LAN e TAM). Já voei na executiva das duas e agora na da Avianca e posso falar que é muito similar o produto oferecido nos voos do Brasil para a América do Sul (Santiago do Chile e Bogotá). Eu diria até que a TAM até anos atrás tinha um serviço INFERIOR, mesmo utilizando aviões melhores, como os Boeing 777 na rota para Santiago. A empresa colombiana faz jus a ser tão tradicional no continente e sem dúvidas é uma ÓTIMA opção para se viajar até Bogotá. 

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Puerto Montt & Puerto Varas: o lado chileno dos Lagos Andinos

Para quem gostou da postagem anterior sobre Bariloche, não podem perder o que virá hoje! A região dos lagos engloba um lado argentino e chileno e fica difícil de decidir qual dos dois é o mais bonito. Algumas agências de viagem fazem pacotes que certamente você já fez ou conhece alguém esteve nesses tours que acabam por fazer os dois países em uma única viagem, o que é bom e ruim. Ao longo desta postagem vocês irão entender o motivo. Pessoalmente, optei por visitar as regiões em épocas diferentes, tanto o lado argentino quanto o chileno, que irá começar a partir de agora.

Sempre que viajo para um lugar que não conheço, eu procuro me informar um pouco mais sobre a cultura, média de temperaturas e algumas atrações, para ter um pouco um norte. E algumas dessas informações são justamente sobre alguns voos internos e em qual aeroporto descer. Primeiramente, é preciso entender que na região chilena dos lagos andinos, o principal aeroporto é o El Tepual, na cidade portuária de Puerto Montt e portão de entrada para a região dos lagos. O preço varia bastante de acordo com a procura, horários e câmbio. Mas se tiverem dificuldades e acharem os preços salgados, a primeira dica é tentar planejar a viagem com antecedência ou procurar rotas alternativas, como um aeroporto que fica mais ao norte e como consequência, mais longe, que é o de Pucón. Uma vez na cidade, há várias opções de translados para Puerto Montt, inclusive com a opção (que é boa) de aluguel de veículos. Não optei por descer em Pucón, não foi preciso... as tarifas estavam ótimas na rota tradicional, pela Lan Airlines.


Caso você faça o perfil explorador e não gosta muito de pacotes turísticos e horários fixos para se fazer as programações, não se preocupe! Uma excelente opção é alugar um carro com ou sem GPS, considerando que vários dispositivos móveis contam com essa função para auxiliar em viagens e até mesmo na própria cidade. O problema é que se você não reservar antes de chegar lá, pode passar um aperto, como aconteceu comigo! Não tinha nas várias locadoras de carros, nenhum disponível, mas eis que apareceu um que havia sido devolvido e foi só alegria. O preço? Bastante em conta, em relação a aluguel no Brasil, por exemplo! Vale muito a pena!

Antes de viajar para a região, sempre li que o melhor local para se hospedar é Puerto Varas, mas fui teimoso e optei por Puerto Varas, que é notória a diferença. A primeira opção, é uma cidadezinha bastante charmosa e parecida com Bariloche, com construções em madeira e lembrando um pouco da Europa, enquanto a segunda é mais moderna, por ser uma cidade portuária e mais pesada. De toda forma, não é uma má idéia ficar por lá, tendo em vista que é aonde fica o aeroporto e aonde tem hospedagens mais baratas. Além disto, se tiver alugado um veículo, a distância entre as cidades é muito pequena, durando cerca de 20 minutos a distância entre elas. Eu acabei me hospedando em um dos hotéis da rede Holiday Inn, no Holiday Inn Express (http://www.tripadvisor.com/Hotel_Review-g294298-d601465-Reviews-Holiday_Inn_Express_Puerto_Montt-Puerto_Montt_Los_Lagos_Region.html). Os quartos são bem muito bem equipados e modernos, além de limpos e eles fornecerem um ótimo café da manhã, indispensável em qualquer viagem, vamos combinar!

Vista do quarto do hotel Holiday Inn Express de Puerto Montt
Começando o passeio, vamos inciar obviameente por Puerto Montt, aonde um dos melhores lugares é a Calleta Angelmó! Como muitos já sabem, eu gosto de mergulhar na cultura local ao máximo e mercados públicos são os locais ideais para isso... E lá é a principal atração, com seus inúmeros pescados, mariscos e ouriços. Vale a pena experimentar esses sabores e eu já indico a compra do salmão defumado, que sou suspeito para falar, mas são uma delícia. Nesta região, é aonde encontramos também várias lanchonetes, bares e restaurantes. Um deles, que considero bastante interessante, é o Pa'mar Adentro, que fica na Calle Pacheco Altamirano 2525, Calleta Angelmó  (telefone: 065 26 40 60). A variedade de pratos com mariscos e derivados do mar é impressionante. Mas, aos que não gostam desse tipo de comida, não se preocupem! Há opções de massas e carnes também, mas o forte são os frutos do mar. A minha sequencia, curioso como sou, foi um prato de ouriços naturais e como molho vinagrete, seguidos de uma sinfonia marítima (que estava incrível) e como prato principal um salmão, típico da região por cima de batatas, uma delícia. Obviamente que tudo acompanhado de um vinho branco chileno.

Pratos da esquerda para a direita: ouriços, sinfonia marítima e salmão chileno.
Para quem gosta de curtir um pouco da vida noturna e quer jogar conversa fora, tomando um pouco de chope local, não pode deixar de dar um pulinho em um barzinho alemão, o Tablon del Ancla (http://www.tablondelancla.cl/). Obviamente não perdi a oportunidade de tomar alguns vários goles da cerveja mais tradicional do Chile, que é a Cristal. Apesar de ter sido verão, a temperatura lá sempre é um pouco mais amena/ fria, por ser uma cidade muito ao sul do continente.

O dia seguinte é para conhecer e se dedicar um pouco mais a charmosa cidade de Puerto Varas, que fica cerca de 21 (vinte e um) quilômetros de distância de Puerto Montt e é um dos principais atrativos da região, com suas casinhas em madeira, o Lago Llanquihue e seus inúmeros cafés e restaurantes. Para quem gosta de fazer uma fé e jogar, há um cassino e que eu consegui ganhar algo! Tudo bem... foram míseros R$ 5,00 (cinco reais) na conversão, mas vale pela diversão! Ao longo da margem do rio, é possível escolher inúmeras opções de restaurantes ou hotéis, além de poder acompanhar várias pessoas curtindo a “praia” ou simplesmente contemplando o pôr do sol, que em alguns locais tem a vista do famoso vulcão Osorno ao fundo. De maneira geral, a cidade é bastante pequena e com atrações mais de curtir o dia, com alta gastronomia e outras atividades esportivas como Stand Up Paddle, Caiaque e outras. Há pessoas que optam por fazer trilhas e trekking também. Obviamente essas atividades são possíveis apenas durante a temporada de verão, que a exemplo de Bariloche, são consideradas as melhores épocas para se visitar as cidades. A diferença principal, é o fato de existir algumas estações de esqui durante a temporada de neve, na cidade argentina.

Beira do lago Llanquihue, em Puerto Varas
Depois de curtir bastante a charmosa cidade de Puerto Varas, é hora de seguir caminho e direto para Ensenada e finalmente Petrohué. O trajeto é impressionante, com um visual mais incrível que o outro e quase sempre, acompanhado pelo vulcão Osorno. Curioso com a distância? São aproximadamente 60 (sessenta) a 70 (setenta) quilômetros de uma ótima estrada e visuais únicos, da região andina. E é justamente neste ponto que insisto em alugar um carro, seja com ou sem GPS! Você pode fazer os seus roteiros e horários, além de aproveitar muito bem o cenário natural para tirar fotos, que garanto que serão inesquecíveis de se guardar. Chegando no vilarejo de Petrohué, o acesso é bastante interessante e no verão é possível acompanhar o degelo andino, no local que chamam “Los Saltos de Petrohue”. Água cristalina/ transparente escorrendo das montanhas e dentro do rio.


Seguindo o fluxo, a estrada é de barro e pedras e levam até um parque, dois hotéis e uma cafeteria. Tudo isso é interessante, até para os que precisam estar conectados o tempo todo e dar notícias aos familiares ou apenas postar algo no instagram, mas o importante é o porto bem simples e de madeira que fica por lá. Diversas embarcações realizam passeios diferentes pelo Lago de Todos os Santos e outras, maiores e mais estruturadas como o famoso Cruce Andino, leva o turista até o lado argentino e em Bariloche, com uma parada na cidade de Peulla. Confesso que saí de Puerto Montt duas vezes em direção a Petrohue e fiz os dois passeios! Vou falar um pouco do “Cruce Andino”, que dura cerca de 4 (quatro) horas para ir e outras 4 (quatro) horas para voltar e custou cerca de US$ 90,00 (noventa dólares americanos). A embarcação era moderna, bastante estruturada com lanchonete, ar condicionado e guias atenciosos que contavam toda a história dos Andes e por onde passávamos. Ao chegar em Peulla, todos são convidados para conhecer e fazer alguns passeios, que vão desde passeio de helicóptero, caminhadas, cavalgadas e canoagem, até mesmo relaxar e curtir a cidadezinha que tem pouco mais de 120 (cento e vinte), isso mesmo... cento e vinte HABITANTES! De lá, alguns turistas seguiram viagem para Bariloche, outros se hospedaram em Peulla para descansar e seguir viagem e outros, como eu, voltamos para Petrohué.


É isso pessoal! Espero que tenham gostado.

Não deixem de me seguir nas redes sociais:

- Instagram: @ticobrazileiro
- Snapchat: ticobrazileiro
- Twitter: @ticobrazileiro

Para quem gostou disso tudo, vale a pena conferir os vídeos que fiz sobre a região dos Lagos Andinos e que já estão disponíveis em meu canal do Youtube. Apenas cliquem e apertem em “Play” para assistir! Espero que gostem! Curtam e compartilhem:

                                          Parte 1:



                                          Parte 2:


quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Bariloche, o lado argentino dos Lagos Andinos.

E aí, pessoal? A dica de hoje é um destino bastante procurado pelos brasileiros, inclusive uma ótima alternativa com essa alta do dólar e crise econômica que vivemos no Brasil. O destino de hoje é Bariloche, que também é conhecida por “Brasiloche” pela quantidade de viajantes brasileiros nessa região dos Lagos Andinos. Ainda não existem voos diretos, saindo de São Paulo ou Rio de Janeiro com destino a cidade, o que obriga todo passageiro a fazer conexões em um dos dois aeroportos de Buenos Aires, seja Ezeiza ou o Aeroparque. Algumas agências de turismo fretam aviões de empresas como TAM, LAN, GOL ou até Aerolíneas Argentinas durante a alta temporada e leva em vôos curtos e diretos, tanto do Rio, como São Paulo. O detalhe é que normalmente por ser altíssima estação e mercado turístico aquecido por conta da temporada de neve, tudo fica MUITO MAIS CARO por lá também.



Eu sou um curioso e fui pesquisar a origem do nome “Bariloche” e descobri que tem origem indígena. Isso mesmo, pessoal! Os índios Mapuches, que viviam no lado chileno dos Andes, não tinham contato e nem sabiam como era o povo do outro lado da montanha e por esta razão, deram um apelido ao vilarejo e a população que ficava justamente em Bariloche de "VURULICHE". O significado? Exatamente o que falei antes, ou seja, “povo que vive do outro lado da montanha”! Uma palavrinha simples significava tanto! E o nome conhecido por todos é abreviado, na verdade o nome correto da cidade é San Carlos de Bariloche.

Na chegada é impossível não lembrar do mini mundo de Gramado, no Rio Grande do Sul, que tem uma miniatura do aeroporto de Bariloche, que é idêntica ao real, bem simples e rústico. Mas aos uqe não gostam de subir escadas, não se preocupem, o aeroporto conta com pontes de embarque que atendem preferencialmente os voos da Aerolíneas Argentinas. O trajeto de lá até o centro da cidade é relativamente curto e sem muito trânsito, entre 13km e 15km. Para os que assim como eu, gostam de alugar carro para relaxar um pouco mais, o caminho é todo sinalizado e é IMPOSSÍVEL de se perder. Eu sempre recomendo o aluguel de carro para viagens dessa natureza, ou pelos Lagos Andinos, seja o lado argentino ou chileno (que tratarei em outra postagem). E não se preocupe em contratar um GPS para o carro, basta ter o waze instalado em seu celular, que resolve muito bem os problemas de navegação. Já os que preferem não ter trabalho e preferem os táxis, eles custam em torno de 20 dólares do aeroporto para o centro, tendo a opção dos Remises, que são carros particulares e uam alternativa aos táxis, que levam por uma diferença de 5 dólares mais barato, em média.

Bariloche é muito bem atendida, por uma rede hoteleira basntante diversificada e atende a todos os gostos, com seus hotéis, hostel e até pousadas. E não se assustem com os preços, pois tem para todos os gostos, do mais barato ao mais caro. Eu acabei ficando no complexo do Hotel Villa Hunid (http://villahuinid.com.ar/), que conta com SPA e mais dois outros hotéis no topo de um "cerro". O ponto alto fica pela vista que tive todos os dias ao acordar e dormir, com nascer e pôr do sol espetaculares, além da vista do famoso Lago Nahuel Huapi e da Cordilheira dos Andes ao fundo. Apesar de não ficar muito próximo ao centro, não era muito longe e fácil de locomoção por conta do veículo alugado, além de ser cerca de 5km de um dos pontos turísticos mais procurados, o Cerro Otto.

Nascer do sol, visto do Hotel.

Se você quer experimentar do agito da cidade, saiba que quase tudo acontece na famosa Calle Mitre, que corta todo o centro da cidade. Por lá, encontramos alguns shoppings, galerias, lojas de souvenirs, restaurantes e muitas, muitas chocolaterias, como a Rapa Nui (http://chocolatesrapanui.com.ar/), que tem os melhores chocolates da Argentina, segundo dizem. Não tive como não provar alguns, além do seu founde espetacular. Indico, pessoal! Nesta região, é aonde encontramos também várias lojas de aluguel para roupa de esqui. E aí você me pergunta: não possso alugar na montanha? E eu te respondo que pode, mas é muito mais caro. Melhor alugar e carregar pela Calle Mitre até o hotel, do que pagar o dobro do preço, antes de subir na montanha. No centro também encontramos supermercados e alguns restaurantes que servem muito bem, como o clássico El Boliche de Alberto (http://www.elbolichedealberto.com/), que conta com carnes muito bem feitas e suculentas ou a melhor sequencia/ rodízio de founde na cidade, que é no restaurante Familia Weiss. Já se nota que ele é diferenciado pela arquitetura rústica e cheia de madeiras, fazendo um grande contraste com todas as outras construções da cidade. Fica quase na esquina da igrejinha principal da cidade e vale muito a pena. Para os amantes da culinária italiana, uma ótima pedida é o I´Italiano Trattoria, opção perfeita para combinar os vinhos argentinos e as massas caseiras, feitas na hora.

Como você já sabem, a Calle Mitre é aonde quase tudo acontece, inclusive ela leva direto para um dos cartões postais da cidade, que é o Centro Cívico. Basicamente é a principal praça da cidade, aonde jovens e artistas se reúnem, em meio as edificações de pedra, estilo europeu e ainda tem o adicional da vista do Lago Nahuel Huapi e dos Andes ao fundo. Para quem gosta de cães, pode ser a oportunidade ÚNICA de interagir e bater uma foto com os São Bernardos. Seus donos cobram algo em torno de $10 (dez) pesos para se tirar quantas fotos você quiser com a espécie. E se você andar um pouco mais, vai encontrar várias lojas de souvenirs mais em conta do que mais pra cima da rua. 


O mais legal vem agora, que é justamente explorar as belezas naturais da região. Existe o paseio conhecido por Circuito Chico, que faz um pequeno tour pelos principais mirantes da cidade, como os do Cerro Otto e Cerro Campanário. O segundo foi eleito pela revista National Geographic uma das 10 (dez) vistas mais lindas do planeta e a melhor de Bariloche. Costumo dizer que todas as vistas são de tirar o fôlego e lá não é diferente, mas isso é relativo e depende de como o visual te causa impacto. O passeio leva os turistas até o hotel Llao Llao, que é bastante conhecido por lá e mesmo não sendo hóspede, ele recebe para almoço, jantar ou visita, apenas.

Minha última passagem por Bariloche foi no mês de Setembro, que ainda tinha alguma neve, mas pouca concentração no topo do Cerro Otto. Apesar disto, a vista dos outros cerros, além dos lagos e o próprio passeio de teleférico já vale por tudo. Aliás, durante a subida ele parou algumas vezes, gerando um pouco de apreensão, mas é normal. Algumas pessoas se enrolam ao descer dele e acaba tendo de parar todos os outros, portanto, não se assustem! No topo do Cerro Otto, há um restaurante giratório, que serve além de comidas típicas da argentina, cafés e chocolates quente, para esquentar um pouco.

Como eu queria aproveitar o final da temporada de esqui e praticar snowboard, não poderia deixar de dar um pulo na principal "montanha"/ cerro da cidade: o Cerro Catedral. Devidamente vestido, com a roupa que aluguel na calle Mitre, só faltava mesmo alugar o material da modalidade escolhida por mim, pagar o ingresso e seguir para as várias pistas disponíveis. Em geral, há uma orientação com professores ou pessoas do Cerro Catedral, para indicar qual o ingresso adequado para cada necessidade. No meu caso, comprei um que me permitia entrar e sair quantas vezes quisesse durante o dia, mas meu Pai acabou comprando o de uma única entrada, que obviamente foi mais barato. Então é variável! para os medrosos, há várias aulas de esqui ou até mesmo snowboard e deu gosto de ver várias crianças em seus 6, 7, 8 anos de idade aprendendo a esquiar. Como não poderia deixar de ser e por conta da imensidão do lugar, existem restaurantes e cafés espalhados pelo cerro, para quem quiser apenas subir e não praticar nenhum esporte. Para quem pensa em fazer snowboard e tem medo, eu vou indico! O mais difícil é o começo, você entender que controla tudo com os pés e calcanhar, só isso MESMO! Se você estiver confiante e entender bem esse funcionamento, não tem muito perigo, acreditem! Esse é um passeio que pode durar um dia inteiro ou apenas um turno, depende do tempo de cada um.


Por natureza, eu gosto de conhecer o circuito não "batido"/ turístico que todo mundo faz, e foi assim que acabei chegando por terra, num vilarejo bastante aconchegante e interessante, chamado Villa La Angostura, que já fica em província, a de Neuquén. O interessante é que a idéia era encarar cerca de 4 (quatro) horas de estrada, até San Martin de Los Andes, sendo contemplado com a Ruta dos 7 Lagos, mas como o tempo era curto, não foi desta vez! O tempo de estrada de Bariloche para Villa La Angostura, é de aproximadamente 1 (uma) hora. Chegando lá, você encontra uma arquitetura mais simples, com várias casas de madeira e cafés bastante charmosos, apesar de simples.

Há uma outra forma bastante interessante de se chegar próximo ou no vilarejo de Villa La Angostura, que é de barco. Não sei se vocês me acompanharam nos vídeos que postei no meu canal do youtube, sobre Puerto Montt e Puerto Varas, mas são embarcações naquele estilo, que levam pelas águas do Lago Nahuel Huapi, parando em lugares como o famoso Bosque de Arrayanes e a Isla Victoria. Para quem não sabe, o bosque foi aonde Walt Disney se inspirou para fazer o cenário do personagem Bambi, enquanto que a Isla Victoria é praticamente na Villa La Angostura. No caminho, é possível alimentar aves que acompanham as embarcações e ter um contato melhor com a natureza. Este passeio é bastante indicado durante o verão, nos meses de Dezembro a Fevereiro.


Aliás, vou relatar outra curiosidade para vocês! Conversando com uma argentina no teleférico, ela disse que os argentinos preferem a cidade de Bariloche no verão, pois podem tomar banho nos Lagos Andinos, além de facilitar a prática de esportes como trilha, bike e wakeboard, por exemplo. E pensar que nós brasileiros vamos em busca da neve, hein? Confesso que fez sentido, quando lembrei que estive nos Lagos Andinos do lado chileno, durante o verão e realmente foi muito bom, apesar do calor. Sou suspeito, pois gosto muito de frio.

Por fim, há um jantar bastante romântico e a luz de velas, chamado Noche Nordica (http://nochenordica.com/). Ele começa com uma van que faz o translado do hotel até o refúgio que fica alguns quilômetros da cidade, além de luzes que iluminam toda a região. Ao chegar no local, há aulas de como guiar um quadriciclo/ jet ski da neve e que será guiado por cada um de nós. São cerca de 5km dentro de um  bosque nevado, dentro do Cerro Otto e é um passeio que tem duração de 3 a 4 horas. O que acho mais legal é a aventura de pilotar um veículo na neve, além do jantar que é de altíssima qualidade. Claro que algumas regras são respeitadas, como apenas maiores de 17 (dezessete) anos podem guiar o veículo na neve.

É isso pessoal! Espero que tenham gostado.

Não deixem de me seguir nas redes sociais:

- Instagram: @ticobrazileiro
- Snapchat: ticobrazileiro
- Twitter: @ticobrazileiro

Eu não iria falar de um lugar tão incrível, sem postar um vídeo no meu canal do youtube, nã o é pessoal? Aliás... você já se inscreveu lá? Ainda não? Vai lá, curte meu canal e se inscreve, que ainda virão muitas novidades e destinos novos para ajudar você na próxima viagem!

O vídeo especial de Bariloche é este aqui, basta clicar e assistir:


terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Tour gastronômico por Buenos Aires


Pessoal, hoje irei falar sobre um destino que os brasileiros vivem indo, que é Buenos Aires. Quem me conhece bem, sabe o carinho que tenho pela capital porteña, que inclusive foi o meu PRIMEIRO DESTINO INTERNACIONAL, no ano de 1986! De lá pra cá, perdi as contas de quantas vezes estive nessa cidade, que para mim, nunca perde o charme. Como eu já dei dicas de passeios por lá (http://www.ticobrazileiro.blogspot.com.br/2013/02/buenos-aires-charme-europeu-em-plena.html), hoje irei passar um roteiro gastronômico IMPERDÍVEL e que tem várias indicações minhas e outras que eu não conhecia e um grande amigo meu, indicou numa viagem que fizemos juntos em 2014. Vamos começar? Preparem-se para ficar com água na boca e os restaurantes serão todos de nível elevadíssimos.

Costumo dizer que o meu lugar preferido na cidade, é Puerto Madero, o bairro mais novo da cidade. Por outro lado, existem lugares com uma grande variedade gastronômica, além de ser ótimo para se caminhar, como a Recoleta e Palermo (que tem suas várias divisões, como Palermo Soho e Hollywood, por exemplo). E grande parte desses restaurantes ficam nessas regiões! E não estou falando do tão procurado Cabaña Las Lilas, que apesar de ser excelente, pratica preços ACIMA do que irei mostrar aqui e é muito mais “pega turista”.

E falando em Palermo, a primeira parada é no Restaurante Casa Cruz, que fica na calle Uriarte, 1658. A sugestão é reservar um horário para o jantar e aproveitar bastante as instalações que são bastante aconchegantes, além de ter uma adega IMPRESSIONANTE para qualquer amante de vinho. Confesso que não conhecia e achei espetacular. É possível fazer reservas pelo telefone ou pelo site (http://casacruz-restaurant.com/). Para os amantes de pescados, a sugestão fica por escolher um salmão branco, que é muito bem preparado e saboroso. Os vinhos (e foram vários) ficaram por conta das cepas Malbec e Bonarda, em especial um que eu não conhecia: “The Apple Doesn´t fall Far From the Tree”. Para quem não acredita que o nome do vinho é este, segue um link que achei no google, com ele para vender: http://www.winebrands.com.br/the-apple-doesn-t-fall-far-from-the-tree-bonarda-2013/p. É um ótimo vinho. Com relação a uva Bonarda, ela tem origem na França, mas é muito produzida na argentina, apesar de rara.



A próxima parada é num clássico de Buenos Aires: o famoso Restaurante Fervor! Quem já foi na cidade, conhece este que é tido como uma das melhores cozinhas da capital porteña. O restaurante é bastante clássico e não é difícil ver famílias tradicionais argentinas indo almoçar ou jantar nele. Fomos no horário do almoço e sem reservar lugares, o que teve que ser bem cedo, estando por lá entre 11:50 (Onze e cinquenta) e o meio dia. Além do ambiente, com dois andares e um lustre imponente no teto, não poderia deixar de faltar o que melhor tem na gastronomia argentina: suas carnes e vinhos. E não foi diferente, não tive dúvidas e pedi de cara um Lomo, que foi servido de vários vinhos Malbec (dessa vez estava em falta os de uva Bonarda). Apesar do ambiente bastante selecionado e diferenciado, a conta não saiu cara e a carne, estava simplesmente PERFEITA e muito bem servida. Ele fica localizado na Recoleta, próximo a famosa Avenida Alvear, mais precisamente na calle Posadas, 1519. Dizem que famosos como Bono Vox e Chico Buarque fazem questão de ir nele, sempre que estão por Buenos Aires. Acho que nem precisa dizer mais nada, né pessoal?


Que tal continuar na Recoleta? Vamos seguir pela famosa Avenida Alvear, que dizem ter o metro quadrado mais caro da Argentina, além de ter várias embaixadas. Lá, encontramos um dos meus restaurantes preferidos, desde que conheci em 2014: é o Palacio Duhau/ Park Hyatt! Ele fica na Avenida Alvear, 1661 e é importante fazer reservas (telefone: 5171-1340) para conseguir guardar um lugar, ante a sua grande concorrência, em especial na hora do almoço. Como indicado pelo meu amigo, ele é feito para se curtir e aproveitar o dia, em especial se você não tem mais o que ver em Buenos Aires ou já conhece a cidade. Que tal chegar numa manhã de sol e ficar nos seus jardins, tomando um vinhozinho branco, clericquot ou até uma cerveja bem gelada, enquanto aprecia belas entradas, como empanadas ou salmão defumado? Mais uma vez fui de Lomo, o que não necessariamente uma regra. O cardápio desse restaurante muda a cada 3 (três) meses, não sei se ainda está assim. É sempre bom se informar e saber qual restaurante ir, afinal, existem três tipos diferentes. Peçam o principal, que não é a Vinoteca.








Um pouco mais distante, no bairro de Belgrano, encontramos o Restaurant Sucre. Apesar da distância, isso não será um problema! Lembrem-se que os taxis de Buenos Aires são um dos mais baratos do Mundo, independente do câmbio ser ou não favorável para nós, brasileiros. Ele fica na Calle Sucre, 676 e é interessante se fazer reservas (telefone: 4782-9082) para garantir lugar, afinal é um espaço que lota com facilidade. Logo na entrada, fomos recepcionado pela Laura, a simpática recepcionista que mandou preparar a mesa para dois casais e eu, que segurava vela. O restaurante tem uma arquitetura moderna e sua adega fica no centro dele, sendo visível de qualquer lugar que você se sentar. A mesa reservada foi estrategicamente localizada ao lado da cozinha, que também fica visível para todos no restaurante. O mais interessante foi acompanhar o movimento dos pratos e inclusive tirar dúvida de qual escolher, com auxílio dos chefs, bastantes solícitos. Dessa vez eu tentei fugir do óbvio que seria pedir um Lomo, dando lugar ao Ojo de Bife Black Angus! Tudo espetacular, além de uma belíssima seleção de vinhos durante a noite.


Para quem gosta de se jogar nas compras da Calle Florida, que tal ir para uma de suas ruas paralelas, num restaurante aparentemente simples, mas muito tradicional? É o La Estancia, que conheço desde que sou pequeno. Além do carinho especial que tenho com o lugar, o atendimento é sempre especial, inclusive quando menciono que vou lá desde 1986! Sem dúvidas o ambiente é mais simples do que os outros restaurantes citados acima, mas a comida é tão saborosa quanto, além de o preço ser melhor ainda. No final, quando pagamos a conta, o garçom nos brindou com 5 (cinco) taças de espumante em agradecimento à preferência. O restaurante fica na Calle Lavalle, 941 e não precisa de reservas para se experimentar seus sabores. É ideal para quem comer algo a um preço justo e bem servido, após o dia de compras na Florida! Dá pra ir a pé!




Por fim, um restaurante que descobri durante uma viagem que fiz para Buenos Aires no ano de 2011, após pegar os ingressos para o show do U2 que acompanhei em La Plata. É o Bahia Madero, que como o nome diz, fica no badalado bairro de Puerto Madero! Esse é o típico lugar que você paga MUITO BARATO e COME DEMAIS. Pelos pratos serem MUITO BEM SERVIDOS, eu sugiro que você pense em dividir o prato com alguém. Tive amigos que não aguentavam jantar, depois de ter ido nele. Não que a comida estava ruim, pelo contrário! Era muito boa e bem servida! O mais legal é que existe o cardápio em português também, acho que muitos brasileiros vão nele. Não acho que fique atrás do renomado Cabaña Las Lilas, sendo bem sincero. Ele fica na Avenida Alicia Moreau de Justo, 430, Dique 4 de Puerto Madero. Também não precisa reservar e se quiserem maiores informações, acessem o site e conheçam um pouco mais dele: http://bahiamadero.com/

Que fique claro que não tenho nada contra os renomados Cabaña Las Lilas, Siga La Vaca ou até o badalado Asia de Cuba, apenas quero mostrar que existem outras opções e que você aproveita e paga menos por isto. Esses restaurantes são conhecidos muito mais por estarem incluídos no circuito turístico do que por outra razão, mas são excelentes opções.

Uma outra observação: todos os pratos na Argentina são MUITO BEM SERVIDOS, então se você tiver um apetite pequeno, pense em dividir com alguém. Se você quiser se esbaldar nas delícias da culinária local, aproveitem.

Me sigam também nas redes sociais e acompanhem esses dicas e várias viagens em tempo real:

Instagram: @ticobrazileiro
Snapchat: ticobrazileiro
Periscope: ticobrazileiro

Se quiser conhecer um pouco mais de Buenos Aires, cliquem no vídeo abaixo e curtam:

 

E não deixem de visitar e se inscrever no meu canal do youtube: www.youtube.com/ticoso